domingo, junho 25

Primavera e outono, bebê


aos que vão, e aos que ficam

Passadouro

Claro, bebê. enquanto uns acordaram cedo, outros regressaram à casa. perdidos, incondicionais.

"Queria poder parar o tempo sem parar o espaço"..não..impossível. e por isso, uns se vão, outros ficam. mas não para sempere. às vezes nem por muito. e assim assitmos, aos poucos a vida. a fraqueza, a ausência... nem tenho a palavra. seria ofensivo.

mas hoje, uma de nossas foi. e você pensa e vive a partida da tua. sim, vai deixar saudades, anjo. porque, sim, ela se divertia a sua maneira. mas 96..96.."pensei que ia fazer 100 anos"... ela foi quase Manoel..e por um tantinho também achei que as ganas..afinal..como pôde?

o conto, para alguém próximo, chegou 30 horas tarde. enquanto isso, eu machucava- a e fazia-me indigno dela. e sem mandar a dignidade às favas ( às favas. )

tudo que tenho é uma lasanha vegetariana, meu berço. meu peito e braço. e a presença quieta.

para um fim de semana de gritos de socorro e últimos suspiros.. apenas enrolação. um não saber dizer nem ficar, nem olhar..-desengonçado social-. então, meu amor....três coisinhas:

1) ... Do You Realize - that happiness makes you cry
Do You Realize - that everyone you know someday will die

And instead of saying all of your goodbyes - let them know
You realize that life goes fast
It's hard to make the good things last...

Flaming Lips - Do you realize?

2) O Músculo secreto

" Nos últimos anos, a Avó estava se dando muito mal com o própio corpo. Seu corpo, corpo de arainha cansada, negava-se a seguí-la.

- Ainda bem que a mente viaja sem passagem - dizia.

Eu estava longe, no exílio. Em Montevidéu, a Avó sentiu que tinha chegado a hora de morrer. Antes de morrer, quis visitar a minha casa com corpo e tudo.

Chegou de avião, acompanahada pela minha tia Emma. Viajou entre as nuvens, entre as ondas, convencida de que estava indo de barco; e quando o avião atravessou uma tempestade, achou que estava numa carruagem, aos pulos, sobre a estrada de pedras.

Ficou em casa um mês. Comia mingaus de bebê e roubava caramelos. No meio da noite despertava e queria jogar xadrez ou brigava com meu avô, que tinha morrido há quarenta anos. às vezes tentava alguma fuga até a praia, mas suas pernas se enrroscavam ates que ela chegasse na escada.

No final disse:

- Agora, já posso morrer.

Disse que não ia morrer na Espanha. Queria evitar que eu tivesse a trabalheira burocrática, o transporte do corpo, aquilo tudo: disse que sabia muito bem que eu odiava a burocracia.

E regressou a Montevidéu. Visitou a familia toda, casa por casa, parente por parente, para que todos vissem que tinha regressado muito bem e que a viagem não tinha culpa. E então, uma semana depois de ter chegado, deitou-se e morreu.

Os filhos jogaram as cinzas de baixo da árvore que ela tinha escolhido.

Às vezes, a Avó vem me ver nos sonhos. Eu caminho na beira de um rio e ela é um peixe que me acompanha deslizando suave, suave, pelas águas"

Eduardo Galeano
Mulheres


3) " A realidade. É difícil que haja um conceito mais vazio e iútil do que este no cinema. Cada um tem a sua própria percepção de realidade. Cada um vê a realidade com seus próprios olhos. Uma pessoa vê as outras, sobretudo as que ama. Vê as coisas em torno de si, vê as cidades e os campos onde mora. Vê também a morte, a qualidade mortal dos homens e a transitoriedade das coisas. Vê e vivencia o amor, a solidão, a felicidade, a tristeza e o medo. Resumindo: cada um vê a vida da sua própria forma..."

Trecho de Tokio Ga - Win Wanders (O texto mais batido do par ou Impar)

Sendo assim aos que vão...um beijo, um abraço..sim teremos muitas saudades e choraremos a sua falta, até onde elas doerem..talvez mais por nós mesmos que por vocês.

aos que ainda estão vivenciando a transitoriedade das coisas nunca nos esqueçamos daquelas frasezinhas sóbrias do Flaming Lips

a quem amo direi.. em cada bom dia, cada abraço, cada música nova..na vontade de fazer filme..

hoje, finalmente choveu.

no fundo, no fundo, é tudo pedido de socorro, de tentar vencer a própria vida, o tempo e a finitude...eu não estou fora, não mesmo. eu também tento. all the time...mas nem sei como dizer-te. e fazendo tudo ao contrário.. good luck.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home