terça-feira, fevereiro 6

bem antes e muito depois de São Paulo S.A


mas o silêncio é MUITO necessário

o ofício (da ser espécie)

"a volúpia corporal é uma vivência dos sentidos, não difere do simples olhar ou da pura sensação de água na boca causada por uma fruta...não é ruim o fato de a aceitarmos; ruim é o fato de que quase todos abusam dessa experiência e a desperdiçam, usando-as como umestímulo nos momentos cansados de sua vida..."

"talvez os sexos tenham mais afinidade do que se considera, e a grande renovação do mundo talvez venha a consistir no fato de que o homem e a mulher, libertados de todos os sentimentos equivocados e de todas as contrariedades, não se procurarão mais como adversários, mas como irmãos e vizinhos, unindo-se como seres humanos, para simplesmente suportar juntos, com seriedade e paciência, a difícil sexualidade que foi atribuída a eles"

"amar é bom: pois o amor é difícil. ter amor, de uma pessoa por outra, talvez seja a coisa mais difícil que nos foi dada, a mais extrema, a derradeira prova de provação, o trabalho para o quela qualquer outro é apenas uma preparação...os jovens precisam aprender a amar. mas o tempo de aprendizado é sempre um longo período de exclusão, de modo que o amor é por muito tempo, ao longo da vida, solidão, isolamento intenso e profundo para quem ama"

"e aí os jovens erram com frequência, gravemente: pelo fato de eles (faz parte de sua natureza não ter paciência alguma) se atirarem uns para os outros quando o amor vem, derramando-se da maneira como são, em todo o seu desgoverno, na desordem, na confusão...então cada um se perde por causa do outro e perde o outro e muitos outros que ainda desejariam surgir. perdem-se as vastidões e as possibilidades, troca-se a aproximação e a fuga de coisas quietas, cheias de pressentimentos, por um desespero infrutífero do qual nada mais pode resultar; nada mais do que um pouco de náusea, desapontamento e pobreza.."

"...jovens que amam de modo falso, ou seja simplesmente entregando-se, sem preservar a solidão..."

"mas como é que eles poderiam encontrar uma saída em si mesmos, do fundo de sua solidão já desperdiçada, eles que se atiraram, que não se delimitam nem se diferenciam, e que portanto não possuem nada de próprio?"


Rainer Maria Rilke

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home